PASSEIO À BARRAGEM DO ALQUEVA:

 

E de repente o espelho de água da bacia do Alqueva começa a surgir à nossa vista.

São multiplas formas de água serpenteando no meio dos cabeços formando uma vista espectacular.

Guadiana é um rio internacional que nasce a uma altitude de cerca de 1700 m, nas lagoas de Ruidera, na província espanhola de Ciudad Real. Renasce no Ojos del Guadiana e desagua no Oceano Atlântico, através de um grande estuário entre a cidade portuguesa de Vila Real de Santo António e a espanhola Ayamonte no Golfo de Cádis, um braço do Oceano Atlântico. Os romanos chamavam-lhe ‘Anas’ ao que os Mouros juntaram ‘Uádi’, a palavra árabe para rio, sendo então o ‘Uádi Ana’; a forma vernácula ‘Odiana’ perdurou até ao século XVIII, altura em que foi substituída pelo termo de origem castelhana Guadiana.

Até que o betão aparece-nos na nossa visão de uma maneira repentina que nos deixa quase sem fôlego.

A Barragem de Alqueva é a maior barragem portuguesa, situada no rio Guadiana, no Alentejo interior, perto da aldeia de Alqueva. Foi construída com o objectivo de regadio para toda a zona do Alentejo e produção de energia eléctrica, para além de outras actividades complementares. O Guadiana faz por duas vezes fronteira entre Portugal e Espanha. Primeiro entre o rio Caia e a ribeira de Cucos, e depois desde o rio Chança até à foz. É navegável até Mértola. O primeiro sector da fronteira não está demarcado entre a ribeira de Olivença e a ribeira de Táliga, devido ao litígio fronteiriço de Olivença. No seu curso total, de 829 km, o rio é navegável até uma distância de 68 km da sua foz.

Estamos circulando no tabuleiro superior o que nos dá uma vista espectacular.

O plano de rega do Alentejo, no sul de Portugal, incluindo um conjunto de albufeiras de armazenamento e uma rede d distribuição, permitirá irrigar mais de 110 mil hectares de solos agrícolas numa região carecida de água e em prolongado processo de desertificação biofísica e humana. As barragens colocam contudo, uma variedade de problemas que requerem consideração atenta, designadamente riscos geotécnicos e sísmicos e impactos biológicos, climáticos, agrícolas, sociais e económicos, nos territórios e nas populações adjacentes. No rio Guadiana, no Alentejo interior, perto da fronteira espanhola, está situada a Barragem do Alqueva, a maior barragem portuguesa. Foi construída com o objectivo de regadio para toda a zona do Alentejo e produção de energia eléctrica para além de outras actividades complementares.

Lá em baixo pode ver-se uma outra estrada. No caso em análise, a barragem do Alqueva, foi necessário o abate de árvores da mata ribeirinha que eram predominantemente de grande porte, oferecendo condições adquadas para a nidificação de vários animais. Estas são o suporte para inúmeras espécies, desempenhando um importante papel para todo o ecossistema. Após a construção da barragem, toda a zona ribeirinha a montante e a jusante sofreu mudanças bruscas e irreversíveis.

A Barragem de Alqueva, quase na sua cota máxima, transformou o Rio Guadiana no maior lago artificial da Europa.

Grande parte do território da freguesia da Luz (Mourão), a tão falada Aldeia da Luz, foi submerso pelas águas da albufeira da Barragem de Alqueva, a partir de 2002. Foi construída uma nova aldeia, para onde se mudaram todos os habitantes da Luz.

Desde sempre foi discutida a qualidade da água que iria encher a barragem do Alqueva. Muito foi discutido sobre o impacto ambiental de tal empreendimento. Várias vozes se elevaram contra a sua construção. Afinal sempre começou e finalmente numa 6ª feira, 8 de Fevereiro de 2002 as comportas encerraram. E a destruição de vários habitats se iniciou. Nada resistiu incluindo todo o património arqueológico da região do regolfo. Nem os 1800 milhões de euros estimados inicialmente.

Afinal parece que o objectivo da agricultura não tem pernas para andar e sim os campos de golfe serão os grandes vencedores. Do projecto inicial de 400 camas passou-se para um megalómano projecto de 24000. Esquecendo que a qualidade da água que abastece a albufeira não tem as mínimas condições para banhos. E só pode ser utilizada para consumo humano depois de um rigoroso tratamento.

 A barragem de Alqueva forma uma albufeira com grande capacidade de armazenamento, sendo de destacar as seguintes características: 3150Hm³ de capacidade útil; 96 metros de altura; 1160Km de margens: 250km² de área.
Curiosidades: A energia produzida pela central hidroeléctrica de Alqueva evitará a emissão anual de 360000 ton de CO2 . O Alqueva é o maior lago artificial da Europa.

Foi uma pena não termos parado um pouco quanto mais não fosse apenas por 5 minutos. Todas estas fotografias foram tiradas através do vidro do autocarro que nem sempre ficam bem mas ao vê-las a minha desilusão abrandou um pouco porque afinal até não ficaram assim tão mal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: